Governo de Santa Catarina apoia pesquisa para produção de vinho licoroso no Estado

Um novo processo para produção de vinho licoroso foi desenvolvido pela Vinícola Panceri, com sede em Tangará, em parceria com a EPAGRI (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina). O projeto foi executado de 2010 até o fim de 2012 e recebeu financiamento da FAPESC (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina).

O objetivo do projeto era desenvolver tecnologia para desidratação de uvas a frio, em ambiente controlado, criando condições semelhantes ao processo natural que ocorre em regiões de nevasca. Existem outros métodos de produção de vinhos licorosos, e esse processo foi patenteado pela equipe.

A EPAGRI participou do projeto nas etapas científicas, com análises fisico-químicas, avaliação da qualidade dos produtos no desenvolvimento do relatório final.

A diferença entre o vinho licoroso e um vinho fino “normal” ou tradicional é seu teor alcoólico superior a 14%. O vinho fino possui teor alcoólico entre 8 e 14%. “Para que o vinho licoroso alcance teor alcoólico superior a 14% vol., as uvas passaram por um processo de desidratação, o que causa a perda de água e concentração dos açúcares da uva, assim, havendo maiores teores alcoólicos durante a fermentação”, diz Carolina Panceri, filha dos donos da vinícola e tecnóloga em viticultura e enologia. O vinho licoroso deve ser consumido como aperitivo ou sobremesa, em pequenas doses.

Ainda serão realizados testes para adequação do produto ao mercado consumidor, e a avaliação do período de guarda está em andamento para que o produto tenha o prazo adequado de consumo. Também estão sendo desenvolvidos estudos de design e marketing para inserção do vinho licoroso no mercado, já que se trata de um produto inédito.

Segundo Vinicius Caliari, pesquisador e gerente de pesquisas da EPAGRI Estação Experimental de Videira, “este projeto foi importante para o desenvolvimento do setor vinícola do nosso estado, que irá trazer divisas econômicas para SC e ainda fortalece o enoturismo e divulga o estado como local de inovação tecnológica”.

Fonte: Jéssica Trombini – FAPESC / Portal da Ilha

VINHOS BRASILEIROS CHEGAM AO TERCEIRO EVENTO EM LONDRES EM DOIS MESES

Treze vinícolas do Wines of Brasil, projeto setorial realizado pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), participam nesta quinta-feira (23) da terceira edição do FIZZ – The Sparkling Wine Show, evento que mostrará apenas vinhos espumantes aos profissionais do setor e à imprensa em Londres, na Inglaterra.

A ação para divulgar os vinhos brasileiros encerra uma série de três participações do Wines of Brasil no Reino Unido nos meses de setembro e outubro. Em janeiro deste ano, aquele grupo de países assumiu a liderança na importação de rótulos brasileiros. Em dezembro de 2013, o Reino Unido ocupava a sexta posição.

Atualmente, o bloco absorve 23% do total comercializado para o exterior pelas vinícolas integrantes do projeto Wines of Brasil, totalizando US$ 1.794.389, de janeiro a setembro de 2014. O valor representa um crescimento de 641% em relação ao mesmo período do ano passado.

No dia 3 de setembro, rótulos de 14 vinícolas foram apresentados em uma masterclass para 40 pessoas no Emerging Regions Tasting. Foi a 1ª vez que o Wines of Brasil participou deste evento, que contou com a participação das principais regiões emergentes do mundo do vinho.

No dia 24 de setembro, foi a vez do Sitt Autumn, com público formado por importantes varejistas independentes, importadores, distribuidores e restaurantes, além da imprensa especializada. A mesa brasileira contou com vinhos de 15 empresas.

Rótulos participantes

Fizz – The Sparkling Wine Show (23 de outubro): Salton Intenso, Miolo Cuvée Brut Rosé, Casa Valduga Arte Brut, Pizzato Rosé, Amadeu Brut, Campos de Cima Extra Brut, Peterlongo Brut, Joaquim Rosé, Don Guerino Chardonnay Brut, Amaze Muscat, I Heart Brasil, Monte Paschoal Moscatel e Aurora Moscato Rosé.

Sitt Autumn (24 de setembro): Garibaldi Amaze Moscato, Miolo Brut Millésime, Campos de Cima Brut, Villa Francioni VF Rosé, Aurora Chardonnay, Don Guerino Moscato, Lidio Carraro Chardonnay, Pizzato Legno Chardonnay, Sanjo Nobrese Moscato, Basso Virtus Merlot, Casa Valduga Raízes Cab Sauvignon, Luiz Argenta Cabernet Sauvignon, Macaw Tannat, Salton Tannat, Rio Sol (Cab Sauvignon/Syrah).

Emerging Regions Tasting (3 de setembro): Basso Moscato, Villa Francioni Aparados white Chardonnay/Sauvignon Blanc, Luiz Argenta Chardonnay, Macaw Moscato, Perini, Sanjo Sauv Blanc, Aurora Brazilian Soul Merlot, Don Guerino Merlot Reserva, Pizzato Fausto Tannat, Salton Cabernet Franc, Dádivas Pinot Noir, Vini Brasil Rio Sol Rosé, Campos de Cima Extra Brut, Casa Valduga Arte Brut, Garibaldi Amaze Sparkling Moscato, Pizzato Rosé Traditional Method.

Fonte: Apex-Brasil

Programa para modernizar a vitivinicultura será apresentado em Santa Catarina

Promover a competitividade do setor vitivinícola por meio da renovação de vinhedos e da estrutura física das empresas nos tradicionais polos de produção são alguns dos objetivos do Programa de Modernização da Vitivinicultura (Modervitis). A estrutura e a operacionalização do Programa serão apresentadas a produtores, representantes da indústria e demais segmentos da cadeia produtiva vitivinícola de Santa Catarina na manhã da próxima sexta-feira, dia 17, no Auditório do Instituto Federal Catarinense (IFC), em Videira (SC).

Proposto pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), no âmbito do Plano Brasil Maior, o Modervitis foi criado para combater a defasagem tecnológica na produção da uva, em especial para a produção de vinho de mesa e suco, assim como no processamento por parte de empresas vinícolas instaladas nos polos mais tradicionais de vitivinicultura da Região Sul do Brasil.

Segundo José Fernando da Silva Protas, coordenador do Modervitis e pesquisador da Embrapa Uva e Vinho, apresentar o papel de cada entidade envolvida e esclarecer como irá funcionar o Programa são etapas fundamentais para a adesão dos vitivinicultores. “Já realizamos o Workshop de articulação setorial no Rio Grande do Sul e o resultado foi muito positivo. Como o Modervitis é bastante abrangente, envolvendo diversos ministérios e instituições de governo (BNDES, BRDE, CONAB), que promoverão ações que vão desde assistência técnica até o estabelecimento de linhas de créditos específicas para o Programa, esclarecer como será o seu funcionamento facilitará o acesso do Programa aos potenciais beneficiários”, avalia.

O evento será mediado pelo Diretor-Executivo do Ibravin, Carlos Paviani, e terá como primeira palestra a apresentação dos aspectos estruturais e operacionais do Programa, com o coordenador do Modervitis. Na sequência, estão previstas palestras de representantes das instituições parceiras do programa: Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES); Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA); do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA); do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); e Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Após as palestras, haverá um espaço para debates.

Aberto ao público, o evento é promovido pelo Ibravin, Embrapa Uva e Vinho, Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina (SAR), Câmara Setorial da Uva e do Vinho de Santa Catarina e Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural (Cederural).

Serviço:

O que: Workshop de Articulação Setorial do Modervitis em Santa Catarina

Onde: Auditório do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Rodovia SC 135, km 125 – Campo Experimental – Videira – SC

Quando: 17 de outubro, das 09h às 12h

Quanto: Entrada gratuita

Programação:

Mediação: Carlos Raimundo Paviani – Diretor Executivo do Ibravin.

9h – Abertura (Lideranças Setorial e Autoridades).

9h30 – Palestra: O Modervitis: Aspectos Estruturais e Operacionais do Programa – Dr. José Fernando da Silva Protas – Embrapa Uva e Vinho.

Painelistas:

10h15 – O papel do BNDES no plano operacional do Modervitis – Dr. Luiz Gustavo Bredas

10h30 – O Papel do MDIC no plano operacional do Modervitis – Dr. Luiz Fernando da Silva

10h45 – O papel da MDA no plano operacional do Modervitis – Dr. Manoel Mendonça

11h00 – O papel do MAPA no plano operacional do Modervitis – Dr. João Salomão

11h15 – O Papel do MCTI no plano operacional do Modervitis – Dr. Jorge Campagnolo

11h30 – O papel da CONAB no plano operacional do Modervitis – Dr. Paulo Morcelli

11h45 – Debates

12h – Encerramento

 

Fonte: http://www.grupocultivar.com.br/site/content/noticias/?q=41394

CIRCUITO DOS VINHEDOS NA VILLA FRANCIONI ACONTECE EM NOVEMBRO NA SERRA CATARINENSE

A corrida rústica por entre os vinhedos de altitude na Villa Francioni, será realizada no dia 8 de novembro. Neste segundo ano, mais de 300 atletas deverão participar. As inscrições já estão abertas.

O Circuito dos Vinhedos na Vil la Francioni , entra para o calendário esportivo de Santa Catarina. Este é o segundo ano consecutivo que as provas serão realizadas na propriedade da vinícola, que fica à 5km do centro de  São Joaquim, na serra catarinense. Neste ano,  mais de 300 atletas de SC e outros estados estão sendo esperados. Serão duas provas disputadas, de 5 e 10 km, no masculino e feminino. Além da caminhada de 5 km. O circuito passará por entre os vinhedos, localizados à 1.260 metros acima do nível do mar. O principal objetivo dos organizadores é estimular a criação de um polo turístico e esportivo agregando as riquezas da região serrana, fomentando as atividades com consciência e sustentabilidade. A coordenação do evento é dos profissionais: Sayuri Viegas, Andrea Teixeira e Leonardo Marmitt. O circuito dos Vinhedos tem apoio da RIC TV RECORD.

As inscrições podem ser feitas pelo site: www.circuitodosvinhedos. com.br 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Villaggio Grando é vencedora do TOP Turismo ADVB/SC 2014

A distinção é um reconhecimento anual da entidade a lideranças, empreendimentos e ações públicas ou privadas que contribuem para o desenvolvimento e promoção da atividade turística em Santa Catarina.

O turismo é um dos setores que mais gera receita para o estado, representando cerca 12% do PIB catarinense, e que movimenta a economia de várias cidades. Os projetos vencedores da edição 2014 do Top Turismo mostram a importância do setor e comprovam a capacidade dos catarinenses de criar atrações e eventos para diferentes públicos, levando visitantes para todas as regiões do estado. Entre os 10 vencedores, há projetos de seis cidades: Brusque, com rodada de negócios para os setores têxtil e varejista; Joinville, com a tradicional Festa das Flores; Florianópolis, com festas e baladas internacionais; Bombinhas, com passeios e trilhas pela natureza exuberante do litoral; São Francisco do Sul, com projetos para atrair transatlânticos; Itajaí, com a tradicional Marejada; e Caçador, com seu case da Vinícola Villagio Grando, que transformou o meio-oeste numa das mais interessantes rotas turísticas do Estado. Também há iniciativas que ajudam a promover toda esta riqueza catarinense, como as dos grupos de comunicação RIC Record e SBT.

A premiação dos vencedores de 2014 e a divulgação do Top One – case de maior nota entre os premiados – serão dia 28 de outubro, no Parque Beto Carrero World, na cidade de Penha. Na mesma ocasião, o Governo do Estado entrega o Troféu Beto Carrero de Excelência no Turismo para uma personalidade, um município e um empreendimento turístico catarinense. O Top Turismo é uma parceria da ADVB/SC com o Governo de Santa Catarina e Parque Beto Carrero World.

Vencedores Top Turismo 2014

Villaggio Grando Boutique Winery

Case: Turismo No Meio Oeste Catarinense

Sobre a Villaggio Grando

A vinícola está localizado na região de Herciliópolis, Município de Água Doce, nos campos de altitude de Santa Catarina em um planalto de características ímpares de solo e clima, próprios para o desenvolvimento de vinhedos que resultam em uvas de características únicas.

Os locais para implantação são escolhidos a partir de inúmeras pesquisas que englobam: ventos, localização, solo, altitude, umidade e, principalmente, adaptação e qualidade da planta e da uva. Com o inverno rigoroso e o clima bem definido para cada estação, é possível uma maturação lenta dos cachos proporcionando colheitas mais tardias, finalizando-as apenas no mês de Maio, para todos os vinhos, com exceção do nosso colheita tardia, colhido em junho após as primeiras geadas o que resulta em vinhos bem estruturados e de vida longa, incluindo os brancos, que podem passar de 6 anos de garrafa, além da produção de álcool natural, fato que ocorre apenas em regiões propícias ao cultivo como esta.

No mais rigoroso inverno brasileiro, as geadas são frequentes e é comum a temperatura atingir -10ºC. Durante o verão a temperatura chega a variar de 30º à tarde para 12º à noite. A amplitude térmica é própria dos locais de clima temperado absoluto.

A vinícola hoje conta com produção de vinhos em SC, no Brasil e em Mendoza, na Argentina e tem o maior maior vinhedo de vitis-viníferas do Estado.

Desde de que foi fundada, a VG recebeu várias premiações, as mais importantes são essas: TOP TEN CHARDONNAY, TOP TEN ESPUMANTES NACIONAIS, OURO EM BRUXELAS, PRATA NA MIAMI WINE FAIR, MELHOR MALBEC ARGENTINO EM CÓRDOBA, MELHOR MALBEC ARGENTINO EM SAN JUAN.

Fonte: Assessoria de Imprensa