Epagri Videira recebe dois doutores para pesquisas

Com a saída de alguns funcionários da equipe da Epagri de Videira em função do programa de demissão voluntária incentivada, que visa a renovação do quadro de servidores, chegaram em Videira dois novos pesquisadores, com nível de doutorado, que passam a fazer parte dos quadros da empresa.

De acordo com o pesquisador e gerente de pesquisas da Epagri Estação Experimental de Videira, Vinícius Caliari, eles irão constituir uma equipe multidisciplinar para trabalhar especificamente na unidade do município, que é voltada para o cultivo de uva, vinho sucos, espumantes e frutas de caroço, como pêssego, ameixa e caqui.

“Estamos focando o trabalho do novo entomologista, Alexandre Carlos Menezes Netto, na parte dos problemas da margarodes (ou pérola-da-terra), que causam declínio da videira e afeta muito nossas plantações, assim como nas pragas da uva, vespas e abelhas. Já o fitotecnista, André Luiz Kulkamp de Souza, vai agregar novas técnicas, enxertos e estudar formas de melhoramento no cultivo de frutas de caroço. Vai auxiliar também em um novo projeto que temos em parceria com a Itália e Alemanha, o qual consiste em avaliar variedades resistentes a doenças da videira, que comprometem a qualidade da uva, tanto para mesa quanto para a produção de vinhos”, explica Caliari.

O gerente de pesquisas conta que para se integrar a equipe, os dois doutores passaram no concurso público e fizeram um pré-treinamento em Florianópolis, na sede da Epagri, depois realizaram mais um curso teórico em Itajaí. Há três semanas os dois estão em Videira, onde permanecerão em estágio probatório até o dia 15 de junho, quando, se aprovados, assumirão definitivamente os cargos. “Pelo que avaliamos nos primeiros trabalhos executados por eles, sua metodologia e desempenho, é quase certo que irão permanecer nos cargos”, aponta.

OS PESQUISADORES
André Luiz Kulkamp de Souza é natural de Pinheiro Preto, porém, sua família mora em Videira há alguns anos. Ele fez sua graduação, mestrado e doutorado em fitotecnia na Universidade Federal de Pelotas – RS. “Passei 12 anos longe de Videira, buscando me qualificar e me aperfeiçoar, agora estou voltando para cá, podendo ficar próximo de meus familiares”, conta.

Alexandre Carlos Menezes é natural de Mossoró – RN, onde passou boa parte de sua vida e se formou em agronomia. Após se graduar, ele se mudou para Jabuticabal, interior de São Paulo, onde fez mestrado e doutorado na Universidade Estadual Paulista (Unesp), sendo que parte do doutorado foi concluído no Japão.

“A ideia é que com os trabalhos desenvolvidos por todos da equipe, haja uma junção desse conhecimento gerado para encontrar soluções aos agricultores, pois eles tem necessidade de resposta o tempo todo, as coisas vão mudando, os desafios vão mudando e eles precisam de respostas. Precisamos pensar na cadeia produtiva como um todo, inclusive na parte mercadológica. Dentro do controle de pragas, temos alguns tipos que há muito tempo causam problemas para os produtores, teremos que fazer todo um trabalho pensando no sistema do produtor videirense”, explica Alexandre.
André ressalta a importância da Epagri a nível nacional e destaca a infraestrutura oferecida no seu ambiente de trabalho. “Das empresas de pesquisa que existem a nível Estadual, a Epagri é referência nacional, nas condições que encontramos aqui, tanto de estrutura como de pesquisas e extensão. Temos um colega em cada município do Estado, dando uma condição de trabalho bem diferente de outras empresas. Como sou natural de Pinheiro Preto pude acompanhar o melhoramento da empresa em questão de infraestrutura então hoje analiso que temos condições de trabalho perfeitas, laboratórios, salas individuais com ar condicionado, área experimental com várias opções de aumento de área, entre outros”, afirma o fitotecnista.

Alexandre destaca o principal diferencial da empresa, o fato de possuir o setor de pesquisa e extensão juntos. “Normalmente, em outras regiões do país, existe uma empresa de pesquisa e outra de extensão, que geralmente não se comunicam, dificultando o trabalho. A Epagri tem esta vantagem de aliar as duas vertentes, tornando indiscutível o papel e importância da empresa no Estado, que já é incontestável, passando a ter repercussão em todo o Brasil”, ressalta o entomologista.

A ESTAÇÃO EXPERIMENTAL
Com o intuito de contribuir com o crescimento e fortalecimento na produção da vitivinicultura da região, o Governo Federal instalou em 6 de dezembro de 1936, em Videira, a Estação Experimental da Viticultura, Enologia e Frutas de clima temperado. Com o passar dos anos, o espaço foi modernizado e ainda contribui de forma ativa com os trabalhos de melhoria dos produtos por aqui cultivados, em especial, a uva, o vinho e as frutas de caroço.

Nestes 77 anos, esta estrutura tem desenvolvido suas atividades de pesquisa com fruteiras de clima temperado, com uma maior ênfase na vitivinicultura, onde tem participado de treinamentos para técnicos e fruticultores de todo o Estado e de outros lugares produtores do Brasil.

Desde 1982, para melhor racionalização dos trabalhos e atender as necessidades da realidade socioeconômica da vitivinicultura catarinense, trabalhos de pesquisa vem concentrando maiores esforços na área de uva e vinho e nas chamadas fruteiras diversas (pêssego, ameixa, quivi, caqui, amora e outras).

A Estação Experimental conta hoje com uma área de 140 hectares, onde estão instalados vinhedos e pomares, além de uma Cantina Modelo, fundada em 1985. Caliari conta que a cantina está em processo de reforma estrutural, a qual está orçada em torno de R$ 550 mil na primeira fase, e mais R$ 550 em equipamentos para a vinícola, como a autoclave para fermentação de espumantes, filtros isobáricos, algumas barricas de carvalho de menor tamanho, para serem avaliadas espécies de menor tamanho.

A novidade é que nesta reforma está inclusa a instalação de uma usina de sucos para escala piloto. “Após observarmos o potencial vocacional da região do Vale do Rio do Peixe para a área do cultivo de uvas para sucos e espumantes resolvemos apostar neste novo investimento”, afirma o gerente de pesquisas da Epagri.

O laboratório de Enologia é único no Estado e um dos mais modernos do país, espaço que possibilita a realização de análises de bebidas derivadas da uva e vinagres para os produtores locais e, principalmente, fornecer embasamento científico para os experimentos do grupo de 9 pesquisadores que lá atuam. O quadro de funcionários é de 40 pessoas distribuídas entre agentes administrativos, técnicos de laboratório, técnicos agrícolas, enólogos, operários rurais e pesquisadores.

Outros laboratórios e serviços também estão disponíveis Estação Experimental de Videira, como os fitopatológico, entomológico, microbiológico e biologia molecular com análises de marcadores moleculares e diagnose e identificação de microrganismos.

Na última safra foram produzidas 250 microvinificações (vinhos diferentes), com volumes que podem ser de 6 litros até 250 litros de vinho, foram produzidos vinhos para o Ministério da Agricultura, bem como projetos de pesquisa, onde são avaliados muitas variedades de uvas para verificar o potencial imunológico de cada uma.

Fonte: http://www.adjorisc.com.br/jornais/folhadevideira/geral/epagri-videira-recebe-dois-doutores-para-pesquisas-1.1461298#.U4PaMvldWSo

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s