Dois anos depois, Indicação de Procedência provoca aumento nas vendas de vinho nos Vales da Uva Goethe

Apesar de sua história e tradição em produzir vinhos, os Vales da Uva Goethe completaram em fevereiro dois anos de existência. É que somente em 2012 foi concedida a Indicação de Procedência para a região de 458,9 Km2 formada pelos municípios de Urussanga, Pedras Grandes, Cocal do Sul, Treze de Maio, Orleans, Nova Veneza, Içara e Morro da Fumaça. O que motivou a concessão desta IP, a primeira de Santa Catarina, foi justamente a história e a cultura que envolvem a produção das uvas e do vinho Goethe em um lugar com um conjunto de características, como solo e clima, que formam um terroir específico e único. Mas, o que aconteceu depois da conquista da tão batalhada Indicação de Procedência e o que este título significa para as empresas e municípios que compõem os Vales da Uva Goethe?

A curiosidade dos consumidores foi o primeiro efeito da IP e da divulgação que o vinho e a uva Goethe tiveram nos últimos anos. “Agora, as pessoas entram na vinícola já pedindo pelo vinho Goethe”, conta o presidente da Associação ProGoethe, Renato Damian. A constatação do presidente é compartilhada por todos os produtores de vinho dos Vales. “100% das pessoas que chegam aqui identificam o vinho Goethe como um produto da região”, afirma Patrícia Mazon, da Vigna Mazon, empreendimento que reúne hotelaria, eventos e vinícola.

Se as pessoas estão curiosas para conhecer o vinho Goethe, a receptividade do produto no mercado também tende a crescer. Comercializando praticamente toda sua produção para redes de supermercado, Jacson Jerdino Felippe, da Vinhos Felippe, reconhece que a receptividade dos compradores para o vinho Goethe mudou. “Temos apenas um produto Goethe, o vinho branco seco, e tivemos um crescimento nas vendas dele”, explica.

O aumento nas vendas dos produtos Goethe acontece em todas as vinícolas, especialmente aquelas que conquistaram o selo Vales da Uva Goethe, que identifica os produtos que atenderam a vários critérios na produção da uva e do vinho. Neste primeiro ano, seis vinícolas tiveram produtos aprovados: Quarezemin, De Noni, Felippe, Trevisol, Casa Del Nonno e Mazon.

O presidente da Associação ProGoethe estima um crescimento médio de 20% na comercialização dos vinhos Goethe. Entre eles, os espumantes se destacam. Matheus Damian, da Casa Del Nonno, revela que os espumantes da marca tiveram um aumento de 30% nas vendas. Gilmar Trevisol, da Vinícola Trevisol, revela um crescimento de 50% na comercialização dos Goethes. A partir da reação gerada pela Indicação de Procedência, Trevisol lançou a marca Casa Del Sole. A vinícola Quarezemin confirma que os três produtos Goethe da marca tiveram crescimento nas vendas. “Além dos dois vinhos que levam o selo, temos mais um frisante de uva Goethe, que é muito bem aceito pelos clientes”, afirma Beatriz Quarezemin.

Caçula entre as vinícolas dos Vales da Uva Goethe, a De Noni conquistou seu registro exatamente quando a IP foi concedida e também já sente os efeitos. Em 2013, utilizaram cinco toneladas de uva na produção de vinhos Goethe. Para 2014, este volume foi dobrado.

O desempenho nas vendas também revela um trabalho intenso realizado nos dois últimos anos. Após a conquista da Indicação de Procedência, um convênio entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e a Prefeitura de Urussanga, resultou na contratação do Instituto Totum para consultoria e desenvolvimento de várias ações com os produtores de uva e vinho Goethe. Em 18 meses de trabalho, o Instituto Totum, em conjunto com a Associação ProGoethe e a Prefeitura de Urussanga, desenvolveu ações no sentido de conscientizar e capacitar os empreendedores em torno da Indicação de Procedência, determinar os critérios de qualidade e o atendimento a eles pelos produtores e estreitar as relações com o mercado através da comunicação. Para isto, um conjunto de ações foi realizado, entre elas a produção de um manual e uma cartilha, a realização de um seminário e a criação da marca Vales da Uva Goethe.

Para a consultora do Instituto Totum, Andréa Vargas dos Santos, o trabalho desenvolvido ao longo desses meses contribuiu para vinícolas e produtores de uva tivessem inicialmente um aprofundamento no conceito e importância de uma indicação geográfica, passando a compreender todas as etapas necessárias para a obtenção de uma indicação de procedência e tornando o processo de controle mais dinâmico e integrado entre todos os envolvidos.

Fonte: http://www.pautas.incorporativa.com.br/a-mostra-release.php?id=24210

Villa Francioni no Encontro de Vinhos Rio de Janeiro

A Villa Francioni leva o terroir de altitude de Santa Catarina ao Encontro de Vinhos.

A Villa é a vinícola que mais se destaca em Santa Catarina. O estado produz vinhos excelentes e pouca gente fora do mundo do vinho sabe disso. Sempre se fala apenas do Rio Grande do Sul, que obviamente é nossa principal região pela quantidade de vinícolas de qualidade que estão por lá. Santa Catarina tem vinhos excelentes, e ainda poucas vinícolas.

Uma vez no litoral catarinense, em férias, perguntava sobre os vinhos de Santa Catarina nos restaurantes. Os próprios catarinenses não conheciam. Uma pena, com tantos turistas do Brasil e do Mercosul.

Quem ainda não conhece precisa conhecer. Boa oportunidade no Encontro de Vinhos Rio de Janeiro.

Dia 13 de Março, das 14 às 22 horas no Real Astória, em Botafogo. Avenida Repórter Nestor Moreira, 11. Ingressos com desconto (50 Reais) no site:

Fonte: http://www.papodevinho.com

Deputado catarinense tenta incluir vinho na cesta básica

Um projeto de lei pretende incluir o vinho na cesta básica. O texto tramita na Câmara Federal e é do deputado Edinho Bez, do PMDB de Santa Catarina.

O argumento do parlamentar é que a bebida é um complemento essencial da alimentação. A proposta já recebeu apoio de entidades, como a Fecomércio de São Paulo.

O principal benefício para o setor vitivinícola é a redução de tributos assim que o vinho for considerado item da cesta básica. Há casos em que o ICMS passaria de 25% para 7%.

O texto também altera a composição da cesta básica para que seja a mesma em todo o País. Atualmente, varia conforme a região.

Atualmente, cerca de 90% da produção brasileira de vinho é feita no Rio Grande do Sul.

Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/acertodecontas/2014/02/18/deputado-catarinense-tenta-incluir-vinho-na-cesta-basica/?topo=52,1,1,,171,77

Vinícola D’Alture prepara novos lançamentos de Vinhos nos inéditos métodos Charmat e Champenoise

É ousada a proposta da Vinícola Joaquinese D’Alture, depois de lançar no mercado quatro rótulos de vinhos como Cabernet Saugvignon, Chardonnay, Rosé e Merlot a vinícola se prepara agora para o lançamento do Saugvignon Blanc que foi preparado meticulosamente pelos enólogos da D’Alture.

A vinícola não informou qual a data do lançamento mas promete entregar no mercado a safra 2013 do Saugvignon Blanc nos próximos 02 meses. Junto com o lançamento do vinho branco a vinícola pretende também mostrar a fortaleza e o ímpeto sensasorial do seu Malbec que está sendo considerado, por muitos especialistas, como um dos vinhos mais esperados para 2014.

No mês de Agosto a vinícola lançará seu primeiro Brut, e no calendário já consta o Brut Premium para Outubro e o Brut Rosé para Dezembro.

Don Roberto Chaves, um engenheiro boliviano bem humorado e proprietário da D’Alture, informou que além do investimento da Vinópolis no centro de São Joaquim, também prepara a sede da vinícola, situada próximo ao Rio Postinho (na vizinhança da Villa Francioni e Monte Agudo) para receber visitas.

A vinícola já poderá receber visitas à partir de Junho e Julho deste ano e em certas parte de sua produção. E deverá ficar completamente concluída em 2015. 

Atualmente somente a Quinta da Neve, Quinta Santa Maria, Villa Francioni e D’Alture tem vinícolas próprias na região de São Joaquim.

Fonte: http://saojoaquimonline.com.br/2014/02/17/vinicola-dalture-prepara-novos-lancamentos-de-vinhos-nos-ineditos-metodos-charmat-e-champenoise/

Gastronômade 2014: etapa Santa Catarina será na Villaggio Grando

Em seu 3º ano de atividades e com 18 edições já realizadas, o consagrado Gastronômade retorna em março a 6 estados do Brasil para mais uma rodada de eventos .

Inspirado no conceito do famoso festival gastronômico norte-americano “Outstanding in the Field”, a proposta do Gastronômade é de ser um “restaurante sem paredes”, uma verdadeira vitrine itinerante da sustentabilidade, conectando gastronomia de qualidade, gourmands e produtores locais. Para isso, o grupo monta banquetes sustentáveis a céu aberto em grandes mesas coletivas, reunindo centenas de pessoas afins que se encontram para compartilhar momentos de profundo culto aos alimentos.

Com uma proposta de extrema importância para fortalecer as melhores práticas na cadeia alimentar, o Gastronômade se preocupa em convidar para os eventos produtores regionais focados em alta qualidade e chefs que priorizem a cozinha de terroir e técnicas para obter a melhor performance de cada ingrediente. “ Nos preocupamos em apresentar chefs conectados com produtores regionais e que enalteçam o conceito de terroir em suas cozinhas. Muitos trazem para o evento produtores com os quais já trabalham e nós apresentamos outros, mapeados através de pesquisas. É uma via de mão dupla, uma troca que tem se mostrado muito interessante e benéfica a todos os envolvidos.” – declara Renata Runge, fundadora do projeto no Brasil.

Os clientes do Gastronômade são consumidores gourmets modernos, elegantes e descontraídos que fazem questão de comida saudável, de terroir, e que aderem com muito entusiamo a experiência gastronômica nos eventos, realizados em locais de beleza natural extravagante. “Para os nossos clientes é uma oportunidade de sair da agitação dos centros urbanos, curtir paisagens deslumbrantes, conhecer produtos locais e pessoas interessantes. “– comenta Renata.

Alguns produtores confirmados nos eventos são:

  • Ateliê do Café (cafés especiais) – SP
  • Café do Mercado (cafés especiais) – RS
  • Cimsal (flor-de-sal) – RN
  • Prosperato (azeite de oliva) – RS
  • Ruzene (arroz preto) – SP
  • Verde Brasil Alimentos Orgânicos (hortifrutis)– PR
  • Vallontano, Lidio Carraro, Pizzato, Garibaldi, Miolo e Villaggio Grando (vinhos e espumantes) – RS e SC

Serviço: os ingressos para os eventos serão vendidos em 3 lotes ( R$ 245 Lote 1, R$ 259 Lote 2 e R$ 275 Lote 3) e podem ser adquiridos através do site www.gastronomadebrasil.com

Etapa São Paulo

  • Data: 22 de março de 2014 – 13:00 hs
  • Local: Fazenda Catuçaba
  • End.: Bairro do Pinga s/n – São Luis do Paraitinga – SP
  • Valor : R$ 245 p/p – Lote 1 ( inclui bebidas e serviço)
  • Chef : Flávio Miyamura
  • Harmonização exclusiva: Vallontano
  • Serviço de Café exclusivo: Ateliê do Café
  • Hospedagem: opcional

Etapa Rio Grande do Sul

  • Data: 23 de março de 2014 – 13:00 hs
  • Local: Vinícola Miolo
  • End.: RS 444- km 21, Vale dos Vinhedos – Bento Gonçalves, RS
  • Valor : R$ 245 p/p -– Lote 1 ( inclui bebidas e serviço)
  • Chef : Vico Crocco
  • Harmonização exclusiva: Miolo Wine Group
  • Serviço de Café exclusivo: Café do Mercado

Etapa Distrito Federal

  • Data: 29 de março de 2014 – 13:00 hs
  • Local: Fazenda Velha
  • End.: DF 330, quinhão 8, Núcleo Rural Capão da Erva – Brasília – DF
  • Valor : R$ 245 p/p -– Lote 1 ( inclui bebidas e serviço)
  • Chef : Agenor Maia
  • Harmonização exclusiva: Lidio Carraro

Etapa Minas Gerais

  • Data: 30 de março de 2014 – 13:00 hs
  • Local: Brisa da Serra
  • End.: Rua: Santíssima Trindade, 520 – Tiradentes – MG
  • Chef : Felipe Rameh
  • Valor : R$ 245 p/p – Lote 1 ( inclui bebidas e serviço)
  • Harmonização exclusiva: Pizzato
  • Hospedagem: opcional

Etapa Santa Catarina

  • Data: 05 de abril de 2014 – 13:00 hs
  • Local: Vinícola Villaggio Grando
  • End.: Rod. SC 451, km 56 – Água Doce -SC
  • Valor : R$ 245 p/p – Lote 1 ( inclui bebidas e serviço)
  • Chef : Klaus Pahl
  • Harmonização exclusiva: Villaggio Grando
  • Serviço de Café exclusivo: Café do Mercado

Etapa Paraná

  • Data: 06 de abril de 2014 – 13:00 hs
  • Local: Castelo do Batel
  • End.: Av. Do Batel, 1323 – Curitiba – PR
  • Chef : Hermes Custódio
  • Valor : R$ 245 p/p – Lote 1 ( inclui bebidas e serviço)
  • Harmonização exclusiva: Vinícola Garibaldi

Comitiva italiana busca parceria na área de vitivinicultura em Santa Catarina

Representantes da Agência Ítalo-Brasileira de Indústria e Comércio (Brazil Planet) visitaram a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca nesta segunda-feira, dia 10, para tratar da cooperação técnica na área de produção de vinho entre Santa Catarina e Itália.

O secretário adjunto Airton Spies esteve reunido com o vice-presidente da Brazil Planet, Domenico Calabria, com a secretária executiva da Brazil Planet, Eunice Cappelletti, e com o diretor de Pesquisa da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Luiz Antonio Palladini, para discutir a vitivinicultura no estado.

A comitiva italiana propôs uma missão técnica ao país com a participação da Epagri e de representantes do legislativo catarinense. O objetivo é buscar conhecimento na área da produção de vinhos. A proposta será analisada pelas entidades convidadas.

Em reunião com técnicos da Epagri, a comitiva italiana também tratou das potencialidades da vitivinicultura catarinense com foco na produção de vinhos finos de altitude nos municípios da Serra.

Fonte: http://www.economiasc.com.br/index.php?cmd=agronegocio&id=17466