SC tem 55 propriedades que cultivam 590 vinhedos de altitude

Regiões produtoras de vinhos de altitude de Santa Catarina já estão consolidadas e aceleram o desenvolvimento do enoturismo. Atualmente são 55 propriedades que cultivam 590 vinhedos num total de 332,35 hectares situados em três regiões da Serra e Meio-Oeste que abrangem 3.173.300 hectares.

Estes dados integram as conclusões de estudo sobre o setor realizado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) em parceria com a Fundação de Pesquisa do Estado (Fapesc), considerando caracterização agronômica e edafoclimática (de clima, solo e relevo).

Os objetivos são melhorar a qualidade das uvas e, no futuro, buscar registro de origem dos vinhos catarinenses de altitude. Segundo o coordenador do projeto, o pesquisador Luiz Fernando Vianna, de 1998 a 2008 a taxa de implantação dos vinhedos foi de 25,8 hectares por ano. Nos anos seguintes houve uma redução dessa expansão, mesmo assim, a área plantada continuou crescendo até 2013, quando foi concluído o levantamento. A pesquisa apurou dados sobre propriedades, área cultivada, variedades e outros detalhes de plantio. O trabalho foi coordenado pelo pesquisador da Epagri Luiz Fernando Vianna e contou com a participação de mais quatro pesquisadores: Angelo Mendes Massignan, Denilson Dortzbach, Sérgio Luiz Zampieri e Valci Francisco Vieira.

O estudo da Epagri apurou que são 11 as vinícolas com infraestrutura para receber turistas. Dessas, 10 oferecem degustação, oito têm restaurantes, três contam com hospedagem e quatro têm outras atrações. São Joaquim e Água Doce têm as maiores áreas plantadas. Há produção expressiva também em Campos Novos, Tangará, Urupema, Videira, Campo Belo do Sul, Urubici e Bom Retiro.

AS VARIEDADES DE UVAS COM MAIOR ÁREA PLANTADA SÃO CABERNET SAUVIGNON (37,88%), MERLOT (14,52%) CHARDONNAY (8,05%) E SAUVIGNON BLANC (7,47%). ENTRE 2009 A 2013, PARTE DAS ÁREAS MAIS ALTAS COM CABERNET SAUVIGNON FOI SUBSTITUÍDA POR UVAS BRANCAS E PINOT NOIR.

Fonte: http://wp.clicrbs.com.br/estelabenetti/2015/06/28/atualmente-sao-55-propriedades-que-cultivam-590-vinhedos-em-santa-catarina/?topo=67,2,18,,,84

SC investe no turismo das rotas do vinho

No próximo dia 30, terça-feira, será lançado o Grupo de Trabalho (GT) de Enoturismo da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte. Entre os objetivos do grupo, estão iniciativas como o apoio à criação de circuitos de visitação com a estruturação das Rotas do Vinho nas regiões produtoras e a contribuição com o fortalecimento do setor, em parceria com entidades representativas (associações, sindicatos, entidades públicas e privadas), oferecendo subsídios às políticas públicas, conquista de mercados, qualificações e certificações. A cerimônia de lançamento do GT de Enoturismo está marcada para as 14h, no auditório da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte (SOL).

No segmento do Enoturismo, Santa Catarina apresenta-se com solo fértil e com grandes possibilidades de desenvolvimento. E é por isso que, dentro da política de fortalecimento dos segmentos turísticos, a Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte apresenta a proposta de criação do Grupo de Trabalho (GT) de Enoturismo, enquanto ação estruturante para o setor em Santa Catarina. Este segmento pode proporcionar experiências agradáveis aos visitantes, como acompanhar a produção das uvas e degustar os vinhos em harmonia com as tradições, a cultura e a gastronomia. Durante as vindimas, também é possível assistir a colheita da uva em várias cidades do estado.

Fonte: http://www.crismenegon.com.br/portal/agronegocio/8818-sc-investe-no-turismo-das-rotas-do-vinho.html

Vinhos brasileiros de altitude com padrão internacional

A produção de vinhos é um trabalho longo, delicado, cheio de detalhes e com variáveis muito particulares. Há 10 anos, a vinícola Villaggio Bassetti aprimora sua produção de vinhos de altitude com tecnologia de ponta, dedicação e equipe altamente especializada. O resultado pode ser visto ao final do processo, um vinho já reconhecido por críticos da área e que se consolida dia após dia como referência em ‘vinhos de boutique’ no Brasil.

Localizada em São Joaquim, na Serra Catarinense, com condições climáticas peculiares e altitudes que variam entre 1.267 a 1.330 metros sobre o nível do mar, faz com que o plantio de uvas tenha um processo diferenciado. Utilizando equipamentos italianos, cepas e barricas de carvalho francesas, prensa pneumática de última geração e controle de qualidade em todo o processo da vinicultura, a vinícola produz cinco rótulos com produção média de 30 mil garrafas/ano.

Dentro da construção, as únicas peças que vieram para o Brasil especialmente para a Villaggio Bassetti trazem a tecnologia utilizada na Itália – maior pólo vinicultor do mundo: os tanques de aço inox espelhados. Para o enólogo exclusivo da marca, Anderson De Césaro, essa tecnologia é parte de extrema importância no processo de fabricação. Pois os tanques espelhados, de superfície lisa não permite o alojamento de bactérias e com isso não é necessário o uso de detergentes na higienização, que é feita à vapor. “Além disso, o sistema ‘tanque sempre cheio’, garante que a bebida fique perfeitamente preservada independente da quantidade de vinho, sem a necessidade de troca de recipiente”, diz ele.

O verão ameno e seco proporcionado pelas características do terroir, com calor de dia (26º) e frio à noite (6º) faz com que tenha alta carga polifenólica, proporcionando aromas e sabores intensos. “Os nossos rótulos estão muito conectados ao que o novo consumidor de vinho busca. A grande expressão de frutas, corpo agradável (sensação de preencher a boca),o aroma, e sem a acidez exacerbada são características e diferenciais proporcionadas também pelo clima da serra catarinense”, conclui o enólogo, De Césaro.

Respeitando a máxima de ‘dar tudo à uva no campo e extrair o melhor dela na vinícola’, todo o processo é muito criterioso, desde a limpeza dos cachos nos vinhedos até a mesa de seleção de bagos. Os vinhos tintos amadurecem entre um e dois anos nas barricas, e depois de um descanso nas garrafas estão prontos para serem consumidos com a preservação de todas as suas características e os benefícios à saúde, já comprovadas por muitos estudos.

O reconhecimento pelo mercado da qualidade dos vinhos da Villaggio Bassetti leva a vinícola a entrar em uma nova fase em 2015. Com várias ações programadas para o ano, além de estar preparada para atender vendas diretas ao consumidor final, já está aberta para visitas guiadas explicando o ciclo completo de produção, desde as videiras até a taça. Para grupos é necessário agendamento prévio e aos finais de semana é possível agendar almoço com cozinha regional e harmonização com as pratas da casa. Conta com uma aconchegante loja na vinícola, onde os visitantes podem adquirir todos os rótulos próprios da marca Villaggio Bassetti em embalagens especiais, além da degustação dos vinhos.

Os rótulos
Trazidas da França, as videiras são as protagonistas do vinhedo – 80% da qualidade do vinho provém da qualidade da uva. “Por isso, não utilizamos uvas de terceiros e não usamos fertilizantes, somente compostagem própria”, pontua Bassetti. Além disso, anualmente são realizadas análises do solo para a verificação da necessidade de possíveis correções de nutrientes”,continua o proprietário. Cada um de seus rótulos tem uma história e um motivo,seja na escolha dos nomes ou de seus cortes (assemblage).

Primiero
Composição: Cabernet Sauvignon
Características edafoclimáticas: Solos argilosos, baixo PH, declividade alta e excelente drenagem, exposição solar N, invernos rigorosos e verões amenos e secos. Altitude do vinhedo de1.267 metros sobre o nível do mar.

Elaboração: Colheita seletiva, desengace, seleção de bagas, fermentação alcoólica e malolática integral em barril de carvalho francês de 400 litros, com permanência de 22 meses, estabilização natural e engarrafamento.

Graduação alcoólica: 13,9%
Características organolépticas: coloração grená, aroma de terra, fungos e frutossilvestres, elegante e potente em boca.
Temperatura de serviço: 14°C
Harmonização: carnes vermelhas e pratos condimentados, pede molhos untuosos e suporta bem a estrutura do prato.

Montepioli
Composição: Cabernet Sauvignon e Merlot
Graduação alcoólica: 13%
Características organolépticas: coloração vermelho densa, aromas de frutas vermelhas maduras lembrando compota, potente em boca.
Temperatura de serviço: 14°C
Harmonização: Massas e carnes com molhos de média cremosidade.

Rosé
Composição: 50% Merlot, 50% PinotNoir
Graduação alcoólica: 13,0%
Características organolépticas: límpido, de coloração pêssego à salmão, macio em boca e retrogosto agradável e persistência mediana.
Temperatura de serviço: 9°C
Harmonização: Peixes, frutos do mar, massas com molhos à base de ervas.

Sauvignon Blanc
Composição: 100% Sauvignon Blanc
Graduação alcoólica: 13,6%
Características organolépticas: límpido, de coloração amarelo discreto esverdeado, fresco com nariz de maracujá e leve toque cítrico, lembrando frequentemente lima. Potente e mineral em boca com retrogosto persistente.
Temperatura de serviço: 9-12°C
Harmonização: Carnes brancas e frutos do mar.

Donna Enny
Composição: 100% Sauvignon Blanc
Graduação alcoólica: 13,0%
Características organolépticas: límpido, de coloração amarelo dourado, fresco, aroma de frutas maduras, untuoso. Potente e mineral em boca com retrogosto persistente.
Temperatura de serviço: 10°C
Harmonização: Frutos do mar, queijos, carnes brancas e bacalhau.

Serviço:
Vinícola Villaggio Bassetti
Endereço: Rodovia SC 114 Km 64 – São Joaquim / SC
Terça-feira a domingo das 9h às 12h e das 13h às 17h
Para grupos e almoço aos sábados, agendamento antecipado
Teleatendimento: (49) 9182-8862 ouatendimento
http://www.villaggiobassetti.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa

Villaggio Grando lança novos rótulos, um deles produzido no Chile

Vinícola Villaggio Grando acaba de lançar seis novos rótulos entre brancos, tintos e espumantes. O escritório Dose Design de Caçador foi um dos responsáveis pela elaboração de um dos rótulos, ao lado de Felipe Lazzarotto da VG.

2 3 4 Merlot

A ideia é apresentar a fauna local, retratada na apresentação dos produtos. O tinto Merlot, safra 2010, faz referência a um javali, o branco Chardonnay tem um peixe black bass, e o Cabernet um faisão.

A maior curiosidade é que os animais desenhados nos rótulos, são destaque na região do Meio Oeste Catarinense, onde está localizada a vinícola, mas não são nativos. O novo Cabernet Sauvignon com Syrah, tem desenho do vinhedo da vinícola. Este é um lote limitado produzido no Chile e trazido em conjunto com a VG para venda exclusiva no Brasil.

O espumante Rosé Brut, também ganha nova roupagem, com rótulo preto e rosa.

Os vinhos tintos são das safras de 2010 e 2012. “A ideia é lançar no mercado vinhos mais evoluídos, já que a região permite longa guarda”, afirma Guilherme Grando, diretor comercial da vinícola.

Os brancos são da safra de 2014 e os espumantes de 2015. Eles já estão disponíveis no mercado para a venda. O lote de Cabernet Sauvignon Syrah é limitado, com apenas cinco mil garrafas com venda exclusiva somente na vínicola. Ele foi produzido no Valle Del Maule no Chile, assim como o Malbec que vem sendo produzido e cultivado em Mendoza.

Já os brancos, Chardonnay 100% e Sauvignon Blanc também 100%, tem safras excepcionais. “ O espumante Brut Rosé, escolhido como melhor espumante do Brasil, na Expovinis de 2013, também está com qualidade na safra acima da média”, finaliza Grando.

Sobre a Villaggio Grando

A vinícola está localizado na região de Herciliópolis, Município de Água Doce, nos campos de altitude de Santa Catarina em um planalto de características ímpares de solo e clima, próprios para o desenvolvimento de vinhedos que resultam em uvas de características únicas.

O local para a plantação das vinhas foram escolhidos a partir de inúmeras pesquisas que englobam:  ventos, localização, solo, altitude, umidade e, principalmente, adaptação e qualidade da planta e da uva. Com o inverno rigoroso e o clima bem definido para cada estação, é possível uma maturação lenta dos cachos proporcionando colheitas mais tardias, finalizando-as apenas no mês de Maio, para todos os vinhos, com exceção do nosso colheita tardia, colhido em junho após as primeiras geadas o que resulta em vinhos bem estruturados e de vida longa, incluindo os brancos, que podem passar de 6 anos de garrafa, além da produção de álcool natural, fato que ocorre apenas em regiões propícias ao cultivo como esta.

No mais rigoroso inverno brasileiro, as geadas são frequentes e é comum a temperatura atingir -10ºC. Durante o verão a temperatura chega a variar de 30º à tarde para 12º à noite. A amplitude térmica é própria dos locais de clima temperado absoluto.

A vinícola hoje conta com produção de vinhos em SC, no Brasil, Chile e Mendoza, na Argentina e tem o maior maior vinhedo de vitis-viníferas do Estado.

Desde de que foi fundada, a VG recebeu várias premiações, as mais importantes são essas: TOP TEN CHARDONNAY, TOP TEN ESPUMANTES NACIONAIS, OURO EM BRUXELAS, PRATA NA MIAMI WINE FAIR, MELHOR MALBEC ARGENTINO EM CÓRDOBA, MELHOR MALBEC ARGENTINO EM SAN JUAN.

Também foi a única representante do Brasil em evento organizado pela ONU em Nova Iorque, em abril deste ano, para angariar fundos destinados à construção do encontro  “Cité des civilizações du vin”, em Bordeaux na França.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Embratur vai promover vinhos catarinenses

Instituto Brasileiro de Turismo promete divulgar rótulos de Santa Catarina em eventos que realizar no país e no exterior

O Secretário de Turismo Cultura e Esporte de Santa Catarina, Filipe Mello

O Instituto Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) vai selecionar vinhos de Santa Catarina para os eventos que promover tanto no Brasil quanto em outros países. A ideia é fortalecer o enoturismo e a força dos vinhos catarinenses no mercado, conforme solicitou o secretário de Turismo Cultura e Esporte de Santa Catarina, Filipe Mello, ao presidente do Instituto, Vinicius Lummertz. “Esperamos que metade de todo vinho comprado pelo governo federal seja catarinense”, diz Filipe Mello. “Queremos que a Embratur adquira e divulgue os vinhos catarinenses, a exemplo do que já faz com os vinhos da Serra Gaúcha”.

Um dos mais interessados na parceria é o prefeito da cidade de Urussanga, Johnny Felippe, que requisitou a inclusão de vinhos espumantes produzidos com a uva goethe. Ele está em contato com produtores de vinho da cidade para que possam encaminhar as amostras de seus produtos para o Instituto Embratur.

Fonte: http://revistaadega.uol.com.br/artigo/embratur-vai-promover-vinhos-catarinenses_10283.html#ixzz3dcWVKiwW